07 de setembro, 2018
737

Nem patriota, nem honesto, nem cristão: desmitificando Jair Bolsonaro, por Otávio Pereira

JUSTIFICANDO: O mito nada mais é que uma concepção imaginária, fabulosa, que criamos ao longo da história para sustentarmos nossa vida. Jair Messias Bolsonaro é por muitas e muitos considerado um “mito” por que se enxergam nele, o colocam num patamar de divindade pois acreditam fortemente que ele é tudo aquilo que no fundo sonham ser . Ocorre, no entanto, que esse “mito” tem perna curta.

JUSTIFICANDO por Otávio Pereira - 14/abril/2018 * arte capa: Latuff - Otávio Pereira é graduando em Pedagogia pela UFMG Universidade Federal de Minas Gerais - atualizada em 21/set/2018

Em um vídeo recente, no meio de sua mudança para o PEN — Partido Ecológico Nacional [que terá sua sigla alterada para PATRIOTAS], Jair Bolsonaro afirmou que pretende ser um presidente honesto, cristão e patriota. E não, este discurso não é novidade. Suas quase 3 décadas dentro da política como deputado federal têm sido sustentadas por estes pilares. Ou indo mais longe, a própria ditadura militar de 1964 usou destes “bordões” como base.

No fim das contas, Bolsonaro e a ditadura militar são lados da mesma moeda. Representantes da ignorância, do fascismo e da violência, que tentam se mascarar usando esses apelos populares como a corrupção, a religião e o amor ao país. E, pra variar, nos dois casos vemos que essas mascaras não encaixam dentro da realidade.

Como pode um suposto “patriota” votar favorável para que petroleiras estrangeiras explorem nosso pré-sal? 

Há mais de século que o petróleo ganhou importância estratégica para as nações — a exploração do mesmo é um instrumento de interesse nacional que garante não só o desenvolvimento econômico do país mas também o social, principalmente pelos royalties vindos de sua exploração (aplicados atualmente no Brasil [no caso do pré-sal] em saúde e educação). Bolsonaro foi a favor de entregar esta nossa riqueza para o estrangeiro.

Não se trata apenas do petróleo, o deputado também é a favor que empresas de fora explorem a floresta Amazônica. Numa visita recente a Manaus, o presidenciável criticou o uso da Amazônia pelos indígenas, povos originários da região, ao mesmo tempo que afirmava ser preciso buscar “parcerias” com países como os EUA para exploração das riquezas minerais da floresta. Onde está o patriotismo de Bolsonaro?

E quando vamos ver o “manto de honestidade” que usa para se esconder, é notável que tal manto não serve nele. Bolsonaro já foi do PTB, do PP, agora é do PSC e tá de namorico com o PR, todos partidos cobertos até a cabeça por casos de corrupção e que repassaram dinheiro do financiamento eleitoral de grandes empresas para ele durante as campanhas; por exemplo, os 200 mil reais da JBS S/A, investigada na operação “Carne Fraca”, em 2014 em entrevista na Jovem Pan ele explica que devolveu o dinheiro para o partido (que o mandou a mesma quantia logo depois).

Igualmente, até hoje, Jair Bolsonaro, acusado de receber 50 mil reais em propinas no esquema de caixa-dois em Furnas, não conseguiu explicar seu nome envolvido nessa maracutaia. Apesar de negar seu envolvimento, a “Lista de Furnas” teve autenticidade comprovada pela Polícia Federal, que concluiu “que a lista não foi montada e que é autêntica a assinatura que aparece no documento, de Dimas Toledo, ex-diretor de engenharia de Furnas”.

Bem como, recentemente, o renomado fotógrafo Lula Marques conseguiu registrar uma misteriosa conversa do deputado com seu filho, também parlamentar, Eduardo Bolsonaro, no Whatsapp, onde, na prosa, Jair diz para o filho comprar ”merdas por ai”, mas que não iria o “visitar na Papuda” [prisão do Distrito Federal], e depois fala que se a imprensa descobrir o que ele estava fazendo iriam “comer o fígado” dos dois. Depois deste escândalo, Bolsonaro tentou se justificar dizendo que o filho estava comprando armas na Austrália - historinha muito mal contada e até engraçada por sinal: repentinamente o maior defensor do armamentismo na Câmara dos Deputados iria dizer “compre merdas por ai” por conta de seu filho, que é policial, estar comprando armas? E por que a imprensa “comeria o fígado” de um ex-militar e um policial (agora parlamentares) por qualquer ligação com porte de armas? [Insira aqui aquele meme da Mônica no computador e no monitor escrito: ATA.]

Falando em armas, Jair Bolsonaro é autor de um decreto legislativo para proibir o uso de armas por fiscais ambientais - afinal, bandido bom é bandido morto, menos seus amigos latifundiários (muitos da bancada do boi) que exploram madeira e criam gado em áreas de proteção ambiental ou são caçadores, exportadores ilegais de animais silvestres ou multinacionais farmacêuticas praticantes de biopirataria. Criminoso mesmo é quem quer proteger o meio ambiente. Lembrando que o deputado já foi pego praticando pesca ilegal em Angra dos Reis, no litoral do Rio de Janeiro, e inclusive enfrentou processo no STF por conta disso (mas infelizmente não deu em nada pelo fato de ser um parlamentar).

Também, mais recentemente, descobriu-se que ele e seus filhos empregaram diversos familiares em cargos de gabinete na Câmara dos Deputados — o que pode ser lido pela justiça como nepotismo. Inclusive, a defesa da família é um dos jargões de Bolsonaro quando se trata de sua suposta moral cristã. Mas como pode uma pessoa seguir os ensinamentos de Jesus Cristo e agir como o deputado age?

Recentemente, o padre Julio Lancellotti falou em uma de suas pregações que não podemos aceitar Bolsonaro, pois “propõe a violência, o assassinato e o extermínio dos gays (…) [propõe] que o homem é melhor do que a mulher e que a mulher tem que ser submissa ao homem, isso é inaceitável no tempo em que nós vivemos“

E realmente, Jesus Cristo de Nazaré sempre pregou a palavra do amor, do perdão e da empatia. Qualquer pessoa que siga seu evangelho sabe muito bem disso. O famoso evangelho de João 8 que nos conta o caso da adúltera que estava sendo apedrejada é uma amostra explícita sobre como posições que Bolsonaro e tantos outros conservadores defendem vão totalmente contra as pregações de Jesus.

Mas nada disso importa. Está tudo bem dizer que se visse dois homens se beijando na rua ele iria agredir, que as minorias têm que se curvar às maiorias ou então [devem] desaparecerem, que o erro da ditadura militar foi ter matado pouco, ou falar pra uma colega parlamentar duas vezes que só não a estupraria pois ela não merece - é só se esconder atrás de uma falsa moral cristã, um discurso de patriotismo e parecer cumprir nada mais nada menos que a obrigação de não ser corrupto.

Já deu para ver o antro de contradições que circunda Bolsonaro, mas, infelizmente, sabemos que a maioria de seus apoios vem de muito mais fundo dentro dessa cova e o combate contra a corrupção e a religião são usados apenas de pretextos. Mas enquanto tivermos voz seguiremos denunciando: o mito será desmitificado.
_________________________________________________________

Leia também: 

17 vezes em que Bolsonaro foi Bolsonaro - 20/set/2018
O período pré eleições de 2018 tem sido marcado por uma disputa sobre quem tem ou não razão nas redes sociais. Quase todos os candidatos à presidência da república possuem alguns tipos de seguidores que, por imaturidade ou má fé, apelam para ataques pessoais, fake news e até ameaças no intuito de silenciar quem não compartilha de suas opiniões... continua: link no título da matéria.


Por que grupos minoritários votam em candidatos de extrema direita? por Adilson José Moreira - Professor Doutor pela Universidade de Harvard - 20/set/2018
Muitas pessoas ficam surpresas com o apoio de minorias raciais e sexuais a candidatos de extrema direita. Por que eles pretendem votar em indivíduos que defendem uma plataforma política baseada no ódio, o que será utilizado para restringir ou destruir seus direitos? A resposta a essa pergunta exige uma análise da percepção das pessoas sobre formas de legitimação social e também do funcionamento do processo político... continua: link no título da matéria.

Quem lhe criou, general? por Bruno Baghim, Defensor Público - em 18/set/2018

Em artigo anterior, perguntei ao general Mourão da onde ele herdou seu racismo. Foi uma reação às declarações do candidato à vice-presidente sobre o povo brasileiro, quando ele afirmou que teríamos herdado a “malandragem” do africano e a “indolência” do índio.
Pouco mais de um mês após aquelas declarações, ressurge o general, agora encabeçando as atividades da campanha enquanto o titular da chapa convalesce do grave ferimento sofrido no atentado de alguns dias atrás... continua: link no título da matéria.

É exagero afirmar que a estratégia eleitoral da extrema-direita é fascista? A Constituição diz que não, por João Victor Archegas - 17/set/2018
Nos últimos anos o discurso político de centro-esquerda passou a taxar rotineiramente os políticos à direita do espectro ideológico como fascistas, protofascistas ou até mesmo “fascistóides”. As vozes contrárias à esta rotulação não hesitam em afirmar que isso é um exagero, uma deformação do verdadeiro conceito de fascismo, ou seja, daquele que se institucionalizou em alguns Estados europeus na primeira metade do século passado...continua: link no título da matéria.


Quem é Antônio Mourão, general que pode comandar o País em um possível impeachment de Bolsonaro? Por Caroline Oliveira - Arte: André Zanardo e Caroline Oliveira em 12/set/2018
Talvez Antônio Hamilton Martins Mourão seja mais conhecido pela população brasileira por suas declarações permeadas pelo ódio do que pela posição que ocupa atualmente como candidato à vice-presidência encabeçada por Jair Bolsonaro do Partido Social Liberal (PSL). Já afirmou que, no Brasil, a indolência se deve aos indígenas; a malandragem, aos negros. Mas os privilégios mesmo herdamos dos portugueses e espanhóis. Os profissionais da violência, declarou, “somos nós”. O País é a sua casa. Nela, empunha a civilização, na qual está implícita a barbárie... continua: link no título da matéria.


Porque voto em Bolsonaro, por Bruno Baghim, Defensor Público - 29/ago/2018
Não, meus amigos. Não voto em Bolsonaro.O título diz respeito à frase que imaginei saindo da boca de um operador do Direito, de qualquer área. De um advogado, promotor, juiz, professor, pesquisador, defensor público, delegado, analista jurídico, enfim. De qualquer pessoa versada, ainda que de forma simplória, em ciências jurídicas... continua: link no título da matéria.

Repensando a postura da esquerda na criação do ‘mito’ Bolsonaro - por Leonardo Soares Nader, Doutorando em Direitos Humanos e Política Global pela Scuola Superiore Sant’anna - 01/ago/2018
“Eu não gosto de conservadores, mas nossa, como eu detesto os liberais! ”; foi a frase dita por Matt Stone, criador da série animada South Park. Liberais, no contexto americano, é equiparável à esquerda progressista tupiniquim, já que por lá o termo ‘socialista’ ainda é impronunciável. O ultraje é o ganha-pão de Stone, cujo lema é distribuir “insultos igualitários” – ofender a todos, igualmente. Poucas pessoas têm mais sucesso cruzando fronteiras da decência e do bom-gosto. É interessante que South Park, contemplada em seu contexto, consegue passar uma mensagem libertária mesmo usando arquétipos e termos deliberada e propositalmente machistas, racistas, sexistas, LGBTfóbicos, desrespeitosos com religiões e mesmo com pessoas. Seu subtexto é sempre colocar esses tropes como ignorantes, ou fazer a plateia cogitar porque está rindo da piada... continua: link no título da matéria.


Pesquisa mostra como pensam os eleitores de Bolsonaro - entrevista com  Esther Solano, socióloga da Unifesp (Carta Educação) em 24/jul/2018
“Para combater um fenômeno como Bolsonaro, a primeira coisa que você tem que fazer é entender o que ele significa para as pessoas”. Foi com esse objetivo que, durante o ano de 2017, a socióloga Esther Solano, da Universidade Federal de São Paulo, entrevistou 25 simpatizantes de Jair Bolsonaro.
As conversas foram longas – entre três e quatro horas cada -, e os interlocutores, variados: eram jovens e pessoas mais velhas, ricos e pobres. Com as entrevistas, Solano buscou compreender qual era o denominador comum, o que faz com que pessoas com perfis tão diferentes fossem atraídos pelo discurso populista e antidemocrático de Bolsonaro...continua: link no título da matéria.


Outras matérias: o link estão nos títulos:

Simpatizantes de Bolsonaro já foram eleitores de Lula, revela pesquisa - 24/jul/2018

Gentili e Bolsonaros espalham fake news que tenta associar LGBTs à pedofilia - 17/jul/2018

400 mil seguidores de Bolsonaro no Twitter são robôs, aponta estudo - 04/ju/2018
_________________________________________________________
Acesse, curta e recomende o JORNAL DO NASSIF

Participe do BLOG e comente esta matéria (dentro das regras abaixo)!

- Enviaremos um e-mail para confirmar se a postagem realmente é sua e não um fake (seu endereço de e-mail não será publicado, será mantido sob sigilo).
- Os comentários serão moderados e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva do autor do comentário.
- Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1000 caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência.
- Não há, contudo, moderação ideológica.
A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade.
Obrigado!

Limite de caracteres no comentário : 1000

Total restante: